6 dicas para aliar criatividade e tecnologia

20.12.2017

Ao contrário do que os estereótipos e clichês dizem, a indústria tecnológica não é composta por nerds em quartos escuros. A força motora da tecnologia, na verdade, é a criatividade.



Pense bem: todos os produtos tecnológicos que você usa vieram de ideias novas e experimentações e certamente possuem um toque criativo. A criatividade está presente nas histórias contadas, no design, nos pequenos detalhes que compõem uma coisa grandiosa.  

Para comprovar a nossa teoria, reunimos seis maneiras interessantes de aplicar conhecimentos criativos na indústria tecnológica. Esperamos que, depois de ler o que preparamos para você, você se sinta inspirado!

1. Criando páginas inteligentes, bonitas e funcionais

As páginas da internet não se tratam apenas de funcionalidade. Sem dúvida, é de extrema importância que elas carreguem de forma rápida, não possuam bugs e possuam botões que funcionem corretamente. Se um site é ruim - e estamos falando também do campo da estética -, no entanto, todas as outras coisas acabam perdendo um tanto do seu valor.

Para criar websites bonitos, você precisará de mais do um pouco de conhecimento de HTML ou CSS: você precisará entender e valorizar a importância de um bom design. Algumas questões que você deve se fazer:

  • Quais cores funcionam melhor?
  • Qual é a quantidade correta de elementos que devo inserir? Quanta informação é realmente necessária e como transmiti-la sem cansar os olhos ou tornar o site confuso?
  • Como você faz com que os visitantes se foquem naquilo que você deseja enfatizar?

Estas são algumas das perguntas que os web designers precisam responder cotidianamente.

2. Criando softwares de forma intuitiva

Assim como os websites, os softwares devem não apenas funcionar, mas apresentar design funcional, estética e facilidade de navegação. Todas as decisões tomadas durante a criação de um produto foram feitas conscientemente, desde a paleta de cores, o posicionamento os botões e até mesmo as fontes e efeitos de som. Este conjunto de funcionalidades e características é o que cria um programa bom, memorável e que se destaca dos demais.

3. Fazendo bons produtos

Por enquanto, falamos apenas sobre coisas que não são físicas, ou seja, que não podem ser tocadas por suas mãos. Mas é óbvio que a criação do design de produtos é um campo onde a criatividade impera. A Apple é possivelmente o melhor exemplo para este tópico: eles criam dispositivos de som ultra-tecnológicos, mas só estão entre as marcas mais inovadoras e confiáveis do mundo porque tiveram criativos em sua equipe. Pessoas criando iPods em um mundo de Walkmans e iPhones em um mundo dominado pela Nokia - isto é criatividade!

O design de produtos, como podemos imaginar, é uma das coisas mais importantes dentro deste nicho.

4. Usar storytelling para fazer jogos

A indústria de games cresceu absurdamente nos últimos vinte anos e certamente ainda crescerá muito. Isto não é apenas por conta do fato de que os gráficos e os dispositivos se tornaram infinitamente melhores, mas porque as pessoas perceberam o potencial do storytelling. Não importa se você gosta mais de jogos de RPG, é fã de ação ou terror: o que faz com que os jogos se tornem apaixonantes é a história que você precisa desvendar durante os jogos, os quais podem durar horas, dias ou mesmo semanas. Não é preciso dizer que os criativos são os responsáveis pela criação destas narrativas, certo?

5. Mergulhando na realidade aumentada

A realidade aumentada é uma coisa mágica - quem é que não fica encantado quando vê mundos novos, tantas possibilidades de interação com softwares e tanta beleza gráfica? Desde que se tornou mais conhecida, ela ganhou não apenas fãs, mas pessoas dispostas a explorar todas as suas potencialidades. Criativos são necessários para a criação de novos projetos e empreitadas ousadas.

6. Melhorar o funcionamento de assistentes pessoais virtuais

Por fim, assistentes pessoais virtuais, como o Amazon Echo ou o Google Home, são produtos que necessitam - e muito! - da ajuda de criativos para serem criados. O grande objetivo de quem cria um assistente pessoal virtual é tentar fazer com que ele seja mais humano e isso não é apenas ciência pura. É preciso estudar como as pessoas interagem e quais respostas dão a determinadas perguntas. Dar personalidade a assistentes virtuais é algo que cabe aos criativos.

Você consegue pensar em outros trabalhos na área tecnológica que exigem grande criatividade? Comente abaixo (e não se esqueça de nos dizer o que achou deste artigo!).

Crie seu perfil de freelancer e encontre novos projetos agora mesmo.

 Cadastre-se grátis!

More articles

  • Você sofre com a síndrome do impostor? Aprenda a lidar com ela

    Você alguma vez já teve a impressão de que não pertencia a um grupo, não era bom o suficiente ou não conseguiria fazer alguma coisa, mas não sabia dizer os motivos de tais afirmações? É mais normal que esta situação ocorra em momentos em que você está esgotado, física e emocionalmente, ou ansioso por conta de alguma circunstância ou evento.
  • O fim do ano chegou: hora de avaliar o seu desempenho como freelancer!

    O final do ano costuma ser bastante significativo para boa parte das pessoas. Pode parecer estranho que o fechamento de um ciclo seja tão relevante, mas a verdade é que nosso cérebro se acostumou com começos e encerramentos e, por isso, fica bastante empolgado com a possibilidade de pular de cabeça em algo novo. Esta mentalidade, aliás, é benéfica para todos que estão no mercado freelancer. Já vamos explicar o porquê.
  • Freelancers devem assinar a cláusula de não concorrência?

    As cláusulas de não concorrência costumam estar presentes em contratos CLT, mas têm sido bastante utilizadas também em contratos de freelancers. Não dar o devido valor a uma cláusula de não concorrência pode gerar certo problema: ignorá-la, por exemplo, pode fazer com que os seus pagamentos demorem para vir (ou que nunca cheguem) ou destruir uma parceria que poderia ser duradoura e lucrativa. Freelancers que trabalham com um nicho bastante específico também redobrar a atenção.

Comments

  • No comments available

Comment this article