Nômade digital: o que é e como se tornar um

N

Imaginar uma vida de viagens pelo mundo se divertindo e trabalhando, conhecendo novos lugares e novas culturas, pode parecer algo como um sonho. Mas hoje em dia isso é possível graças à internet, que é fundamental na criação do nômade digital. Descubra o que é e como se pode tornar um.

  1. O que é um nômade digital
  2. Como se tornar um nômade digital
  3. Nomadismo digital: lugares e comunidades
  4. Vantagens e desvantagens de ser um nômade digital
  5. Checklist para nômades digitais

O que é um nômade digital?

Basicamente, uma pessoa que trabalha como nômade digital pode passar o tempo que desejar na cidade ou país que mais gosta e ficar pulando de destino em destino. Para isso basta dispor de uma ferramenta: uma boa conexão de internet.

Esse profissional pode se dar ao luxo de levar um estilo de vida que muitos sonhavam antigamente, mas só foi possível recentemente graças à evolução tecnológica e a abertura que empresas deram para trabalhadores remotos.

Quando surgiu o nomadismo digital?

Ninguém sabe muito bem onde surgiu a designação nômade digital. Alguns consideram que foi um termo que se tornou popular após Tsugio Makimoto e David Manners publicarem um livro chamado “Digital Nomad” em 1997.

O nomadismo digital não é restrito a uma determinada profissão, mas a maioria dos nômades digitais trabalham em áreas diretamente ligadas ao online e atividades “novas”.

Contudo, isso não é uma regra. Você pode ser um professor, tradutor, dar aulas de cozinha, blogueiro, profissional de SEO, dono de e-commerce, produzir conteúdos digitais. Na verdade, há uma infinidade de atividades que podem ser exercidas por um nômade digital.

Como se tornar um nômade digital?

1# Exame de consciência

Primeiramente é preciso que se faça um profundo exame de consciência. Conheça a si mesmo. Será que você tem estrutura e capacidade para esse trabalho?

Caso queira passar muito tempo viajando, a sua vida social atual não existirá mais; será preciso se adaptar à vida em outro país para poder conviver com outras pessoas de uma cultura e língua diferente da sua. E essa adaptação terá que se repetir a cada destino escolhido.

Sabendo dessas dificuldades e realmente decidido a se lançar no mundo, comece devagar, planeje os seus próximos passos. Quem sabe não seria melhor começar no seu próprio país?

2# Se informar sobre o destino

Você pode acertar em todos os passos – ter o dinheiro ou um trabalho remoto, alugar um apartamento, contratar o seguro certo – mas se escolher a cidade ou país errado, tudo vai por água abaixo. 

É preciso se informar muito bem sobre o destino que você está pensando em morar e para isso a internet está cheia de exemplos. Pesquise nos grupos, nos blogs e no YouTube, onde existem vários nômades digitais espalhados pelos quatro cantos do mundo e criando conteúdo..

Isso o ajudará a conhecer profundamente essa atividade e também escolher os países onde os nômades digitais têm uma certa preferência.

3# Aprender noções básicas de uma língua

Como já dissemos, ter ao menos noções básicas de uma língua, preferencialmente o inglês, é algo básico. Isso deve fazer parte do currículo de um bom profissional, além do que será de imensa valia em suas viagens.

4# Poupança

Ter uma soma em dinheiro é importante, porque os trabalhos podem demorar no início, eles não surgem do dia para noite. Crie uma rede de segurança.

Não se esqueça que a ferramenta essencial para esse trabalho é ter um bom notebook para trabalhar de forma efetiva. O nômade digital precisa de uma conta bancária para receber pelos seus trabalhos – uma carteira digital também vale – e cartões de crédito internacionais.

5# Seguro de saúde internacional

Não se esqueça de fazer um bom seguro de saúde internacional. É de suma importância possuir esse tipo de seguro. Ele é útil em caso de doenças, hospitalizações e outros problemas que possam surgir durante a sua estadia em outro país. 

Com a tecnologia certa, uma certa segurança financeira e acesso fácil a dinheiro e pronto para experimentar coisas novas, o nômade digital pode explorar o mundo.

Nomadismo digital: lugares e comunidade

Por ter a internet como parte fundamental de sua vida, os nômades digitais também a usam para criar comunidades. Existe muito conteúdo sobre o assunto, seja em blogs próprios desses profissionais ou fóruns como o Reddit.

Ter informações de pessoas que trilham o mesmo caminho é excelente para diversos pontos: saber os melhores bairros para morar em uma cidade, que países não requer vistos ou burocracia extensa, quais locais têm boa conexão e quais não, custos de vida e muito mais.

O site Nomad List, por exemplo, é uma ótima fonte de conhecimento, criando rankings de cidades com diversos critérios além dos citados. 

Um nômade digital não precisa se limitar a destinos que são conhecidos, mas é claro que é interessante conhecer locais que são efervescentes, tanto para aproveitar nos momentos de descontração como para conhecer pessoas, fazer networking e ter acesso a oportunidades.

Lisboa, por exemplo, é um lugar da moda para nômades digitais. Há uma comunidade engajada na cidade, o custo de vida comparado com outras cidades da Europa é baixo, há boa conexão de internet e o clima é excelente.

Outros destinos que são muito procurados são:

  • Bali (Indonésia) 
  • Cidade do México (México) 
  • Tenerife (Espanha) 
  • Austin (Estados Unidos)
  • Bangkok (Tailândia) 

Dá para notar que tem para todos os gostos. Essa liberdade de escolha e a possibilidade de ganhar dinheiro enquanto se conhece um país permite um cardápio muito variado. 

❕ O Brasil também é um destino para muitos nômades digitais. Entretanto, problemas conhecidos como a violência e a falta de infraestrutura que limitam nossa capacidade de turismo comum também impactam na questão do nomadismo digital. Potencial para crescimento existe e não faltam cidades para ser nômade digital no nosso país!

Vantagens e desvantagens de ser um nômade digital

Como em todas as atividades profissionais precisamos ver os dois lados da moeda. A vida de um nômade digital não é tão glamourosa quanto muitos imaginam. 

Muitos querem se tornar nômades digitais e acabam desistindo porque achavam que era uma atividade fácil, divertida e que renderia muito prazer e dinheiro.

Claro que estar em uma praia maravilhosa em Bali ou no México, trabalhando de bermuda e chinelo em seu computador e ainda por cima ganhando dinheiro para viver é o sonho de muita gente.

Mas as coisas não funcionam bem assim e temos de ver o lado menos agradável desse estilo de vida. 

1# Foco no trabalho

O nômade digital precisa ter muita disciplina, organização e não é porque está na praia que pode se esquecer de que é preciso ganhar dinheiro.

O ponto principal é ter que produzir de forma constante. O nômade digital não tem feriados nacionais e muitas vezes nem mesmo fins de semana. Certos clientes não vão esperar, além disso, os fusos horários podem obrigar o nômade digital a trabalhar em horários bem fora da sua zona de conforto. O aumento no gasto com viagens, saídas e visitas turísticas também pode exigir um esforço extra e mais horas trabalhadas para sustentar o estilo de vida.

Algo que um potencial nômade digital precisa entender é que se você precisar trabalhar para sustentar esse estilo de vida – sem usar dinheiro poupado ou ajuda de terceiros – é preciso estar na luta atrás de novos trabalhos. Portanto tenha em mente que não é porque você está sendo um nômade na Europa que todo dia será de praia, visitas a museus e ida a restaurantes.

2# Papéis, vistos e contratos

A questão burocrática também é algo muito sério. A razão para muitos nômades fazerem estadias curtas é a questão do visto. Uma permanência longa pode exigir um visto e sempre há a possibilidade dele ser recusado. Confira as informações nos consulados respectivos e se informe sobre o assunto com outras pessoas que têm experiência no assunto.

3# Nem sempre será uma festa

Outra dificuldade encontrada é a solidão, afinal estar longe da família e grupo de amigos é um problema que nem todos conseguem superar. O nômade, como o nome diz, precisa mudar a todo momento, estar aberto a conhecer pessoas novas a todo instante e dizer adeus (ou até logo) constantemente.

Claro que há coisas boas!

  • Conhecer novas culturas, lugares e pessoas por tempos mais prolongados
  • Inserção em comunidades que se ajudam, inclusive com oportunidades de trabalho e negócios
  • Um estilo de vida mais relaxado e minimalista

Basicamente, o perfil de um o nômade digital pode ser descrito como uma pessoa corajosa que gosta de viajar e conhecer novos povos.

Enfim, explorar o mundo. Isso tudo é possível graças ao seu trabalho. Será preciso ter muita disciplina, desprendimento e vontade de estar sempre se atualizando na profissão que vai exercer.

VantagensDesvantagens
Conhecer novas culturas e pessoasÉ necessário ter muita disciplina e organização
Viajar o mundo sem precisar esperar por férias do trabalhoConstantes mudanças, se afastar de família e amigos
Ter um estilo de vida mais minimalistaBurocracia por vistos, seguros e outros documentos
Aprender a se virar

Checklist para nômades digitais

Antes de arrumar as malas e rumar para o aeroporto (ou rodoviária) é preciso se certificar que estes pontos abaixo foram pensados e estão garantidos: 

  • Deixe o seu trabalho alinhado antes de ir
  • Tenha um plano de trabalho
  • Carregue a tecnologia certa com você
  • Ter um plano A e B para a Internet
  • Informe os seus clientes
Checklist para nômades digitais

Vamos passar os pontos um a um:

#1 Deixe o seu trabalho alinhado antes de ir

Nômades digitais têm muitos obstáculos para superar. Nem todos os lugares possuem wi-fi e existem inúmeras distrações mundo afora. Se você está pensando em conseguir clientes enquanto viaja, talvez seja mais interessante trocar a ordem deste processo.

Ter uma rotina de trabalho e uma boa relação com seus empregadores antes de viajar permitirá que você tenha estabilidade financeira, bons conhecimentos e, claro, possibilidade de produzir muito mais. Uma vez na estrada, a tentação de deixar tudo para o outro dia é sempre muito grande… e isto é muito perigoso para o seu rendimento, para o andamento do seu trabalho e para o sucesso da sua missão. Acredite.

#2 Tenha um plano de trabalho

Ter um plano de trabalho não é importante apenas para os seus clientes, mas também para você. Através dele, você terá uma ideia de quantas horas precisará trabalhar para terminar aquele job, poderá marcar dias específicos e estabelecer metas e conseguirá trabalhar de forma muito mais fluida e inteligente.

Muitos nômades digitais contam com a ajuda de aplicativos para organizar e se manter em contato com seus clientes e companheiros de profissão. O Trello, por exemplo, é uma ferramenta excepcional para o gerenciamento de projetos. O Slack, por sua vez, é ótimo para enviar mensagens instantâneas. Com o Google Hangouts, você poderá manter um calendário atualizado de todas as suas reuniões e projetos e criar salas de conversa com seus clientes.

#3 Carregue a tecnologia certa com você

Quando estiver viajando, o seu notebook será o seu melhor amigo. Você trabalhará em horários bastante irregulares se estiver em um local com fuso horário diferente e possivelmente terá que se conectar em horas estranhas caso o cliente solicite uma reunião de última hora. Antes de se atirar de cabeça no nomadismo digital, você precisa garantir que a tecnologia que carrega consigo esteja alinhada com as suas necessidades.

Tenha certeza de que todos os programas dos quais precisa estejam instalados e devidamente atualizados, especialmente se você for programador ou designer. Um mouse de boa qualidade, um disco rígido extra, fones de ouvido e microfone funcionais também são coisas indispensáveis.

#4 Ter um plano A e B para a Internet é essencial

Ser nômade digital é estar livre de boa parte das amarras do mundo. Perceba que dissemos “de boa parte” e não “de todas”. Por quê? Porque este estilo de vida faz com que você precise, o tempo inteiro, de uma conexão de internet decente. Isto significa que não, infelizmente você não poderá se isolar naquela ilha paradisíaca do pacífico se ela não puder lhe oferecer um sinal de wi-fi minimamente adequado.

Sim, sabemos que boa parte dos locais, estabelecimentos comerciais e hostels oferecem internet a seus frequentadores. Ainda assim, não é bom contar com a sorte. Adquirir um equipamento de internet móvel pode ser uma ótima ideia caso a o wi-fi não esteja funcionando, a energia na região tenha caído ou para qualquer outra urgência.

#5 Informe os seus clientes

Trabalhar do outro lado do mundo implica que seus clientes receberão e-mails em horários estranhos e que nem sempre conseguirão falar com você na hora que eles desejam. Informe aos seus clientes quando estiver para tomar um avião, mas ofereça-os um plano detalhado sobre as suas horas de trabalho.

Lembre-se: seu cliente não se importa com o que você está fazendo e possivelmente não tem nada a dizer sobre as suas escolhas de vida. O que ele deseja de você é um trabalho bem feito e compromisso com as datas estabelecidas pelo contrato/acordo.

A regra de ouro é: guarde um tempo para nadar com tubarões ou passear pelas ruas de Veneza. Viajar é ótimo e você decidiu ser um nômade digital para conhecer o máximo que puder do mundo, mesmo. Não se esqueça, no entanto, de honrar os seus compromissos.

 

Se você gostaria de trabalhar como freelancer ao redor do mundo, lembre-se de checar algumas das oportunidades disponíveis em nosso banco de dados!

Você é um nômade digital ou tem interesse em ser um? Compartilhe sua experiência com nossa comunidade!

Miguel Amado

Freelancer desde 2014, Miguel Amado é um criador de conteúdo, analista SEO e editor/apresentador de podcasts.

Escreva um comentário

Artigos recentes

Cookie Consent One Trust