Recomendação de freelancers em troca de comissão: o que fazer?

R

Muitos freelancers gostam de recomendar serviços, profissionais e produtos em troca de pagamento pela sua indicação. Este tipo de prática, que pode render um retorno financeiro até bastante considerável, não é necessariamente incorreta – ainda assim, gera muita polêmica.

Costuma-se dizer que não há nada de errado em recomendar os serviços de terceiros (e em ganhar por isso) se há transparência e ética. Enquanto todos estiverem ganhando e ninguém estiver sendo enganado, está tudo bem, certo? Certo! O problema é que nem sempre as coisas ocorrem desta maneira.

Existem algumas regras que devem ser seguidas para que este tipo de transação ocorra da melhor maneira possível para todos os envolvidos (e para que você não se coloque em uma situação desfavorável enquanto profissional). Veja abaixo algumas coisas que não devem acontecer quando se trata de comissões por indicação:

1. Falta de transparência

A comissão por indicação deve ser definida previamente – se for preciso, faça um documento em que isto esteja discriminado. Se você espera receber uma quantidade específica de dinheiro ou uma porcentagem por ser o intermediário entre as duas partes de um acordo bem sucedido, deixe isto claro desde o início para a pessoa ou empresa que você irá indicar.

2. Exigências após o fechamento de um acordo

Esta situação aqui é ainda mais desagradável do que a primeira. Existem freelancers que cobram pelas referências dadas depois que o acordo foi concretizado, o que pode causar uma saia-justa e tanto. Se não há pacto previamente estabelecido, qual é o preço justo a ser pago para um intermediário? Se você não foi avisado de que seria cobrado, faz sentido que tenha que oferecer uma porcentagem do valor combinado com o cliente para quem o indicou?

3. Agir como tudo fosse totalmente normal

“Ah, sim, esta é uma coisa corriqueira – todos que trabalham em nossa área fazem isso”. Não importa o que os freelancers que têm cobrado para indicar pessoas e produtos têm dito a você: esta prática não é padrão na indústria. Você não pode simplesmente esperar que receberá dinheiro por suas indicações o tempo inteiro. Se você conhece alguém que trata este processo como algo natural e esperado, mantenha os olhos abertos.

Como funcionam, então, as comissões por indicação?

A única maneira correta de estabelecer este tipo de relação com outras pessoas é sendo completamente honesto sobre as suas intenções. Conte aos clientes, conte às pessoas que você gostaria de indicar e, se houver negativa de alguma das partes, saiba lidar com isso e seguir em frente. Sim, existe uma chance de que estas pessoas façam negócio sem a sua ajuda (e sem lhe dar um centavo). Não pense, no entanto, que todos irão apunhalá-lo pelas costas: se você faz o seu trabalho corretamente e se é bem visto pelos demais, eles possivelmente levarão isto em consideração. Lembre-se: ser franco e sincero é o melhor caminho em qualquer circunstância.

Como lidar com comissões por indicação inesperadas? Aprendendo a dizer não.

Existe apenas uma maneira de lidar com pessoas que pedem por um pagamento descabido após uma indicação: mantenha-se forte e diga não. A menos que isto tenha sido previamente acordado e estabelecido, você não tem nenhuma obrigação legal de repassar dinheiro para terceiros. Pessoas que agem de má fé têm vida muito curta dentro do mercado – depois de uma experiência muito ruim, quantos se arriscarão a trabalhar de novo com alguém? Entenda que cobrar comissões por indicação de maneira indiscriminada não é apenas rude e arrogante, mas pode destruir a sua carreira e a sua imagem diante de possíveis empregadores e parceiros.

Então, se alguém lhe faz cobranças depois que você aceitou um job por indicação, diga não. Não ache que, por ter sido indicado, você precisa demonstrar a sua gratidão através do pagamento de uma comissão (a qual, às vezes, é astronômica). Cobrar tardiamente não é apenas pouco profissional, mas insustentável para quem deseja ser conhecido na indústria por seu talento, boa imagem e seriedade. Para manter-se bem e na ativa, você precisa de uma reputação digna – e de uma consciência tranquila, de preferência.

Você já teve que lidar com este tipo de situação? Se sim, o que você fez? Estamos sempre dispostos a ouvir o que você tem a dizer, então não se esqueça de nos deixar um comentário abaixo!

Jota Del Rosso

Jota Del Rosso é redatora, tradutora, cientista social e atriz em formação. Atua como freelancer em tempo integral e dedica-se a todas as suas paixões. Acredita que trabalhar remotamente foi uma das melhores coisas que já decidiu fazer e por isso, é a pessoa perfeita para as traduções em português do freelancermap.com

Por Jota Del Rosso

Artigos recentes