O que é marketing pessoal e como ele pode te ajudar a vender mais

O

Não importa o setor que você atua e a forma como você trabalha, o marketing pessoal sempre será importante. Muito mais do que se gabar de possíveis conquistas, a criação de sua própria marca e o cuidado com ela são fundamentais para um profissional, especialmente um freelancer.

E é justamente nesse contexto de freelancing que vamos abordar os benefícios, estratégias e dar alguns exemplos de como executar o marketing pessoal sem parecer um vendedor, com o objetivo de conseguir novos clientes e trabalhos e ascender na carreira.

  1. O que é marketing pessoal e qual a sua importância?
  2. Benefícios para os freelancers
  3. Onde eu posso me apresentar?
  4. Dicas para construir o branding pessoal
  5. Exemplos de como fazer seu marketing pessoal

O que é marketing pessoal e qual a sua importância?

Celebridades e empreendedores ou donos de negócios famosos não são de hoje. Steve Jobs, por exemplo, era um mestre no marketing pessoal. Até sua roupa era uma forma de branding pessoal que tornou-se icônica!

Mas na era dos influenciadores, cada vez mais temos acesso a pessoas, histórias de suas rotinas, conhecimento de suas batalhas e conquistas. Pode ser um exagero? Claro, mas isso indica como essa proximidade não só está presente, como é quase necessária.

Então é só abrir um Instagram, contar o que você almoçou ontem e está feito o marketing pessoal? Claro que não! Mais abaixo abordaremos alguns exemplos mais acionáveis, mas a ideia é usar conceitos do marketing para aplicar à sua carreira.

Como, por exemplo, criar uma identidade visual com a qual você se apresentará para clientes. Ou fazer uma análise SWOT para identificar seus pontos fortes e fracos. Ou criar conteúdo que mostre seu conhecimento e agregue valor para os leitores, ouvintes e/ou espectadores.

Benefícios do marketing pessoal para os freelancers

A Você S/A reportou um grande aumento de “freelas” no Brasil, algo esperado com a diminuição de empregos formais e também a percepção de muitos profissionais que é possível trabalhar em casa e atuar de forma pontual para diversos clientes. Além disso, as próprias empresas também estão mudando suas estruturas e atuando com profissionais autônomos.

Uma pesquisa feita no meio da pandemia apontou que 47% dos contratantes entrevistados nos Estados Unidos estão mais propensos a contratar freelancers do que estavam antes da pandemia.

O aumento da demanda é ótimo, mas acompanhado do aumento da oferta cria competição. E com ela é preciso se destacar, seja em qual campo for.

#1 Diferenciação

O freelancer é mais dependente do marketing pessoal para ter seu nome lembrado ou se diferenciar da concorrência. E um trabalho de branding pessoal bem feito pode torná-lo uma referência, alguém que pode ser procurado quando um serviço X precisa ser executado. Seja um novo site, a criação de uma estratégia para redes sociais, a construção de um sistema robusto de TI, um design de aplicativo, enfim.

#2 Alcance maior

O freelancer não tem um trabalho fixo e a segurança de ser um contratado tradicional, por isso ele precisa, com maior constância, de novos clientes e indicações. Com um bom marketing pessoal feito usando ferramentas como as redes sociais ou um blog, é possível ter um alcance maior. E isso resulta em…

#3 Mais clientes e maior receita

O sonho de todo freelancer. Um problema para muitos profissionais autônomos é terminar um trabalho e não ter outro engatado. Ou então ter um trabalho que ocupa apenas uma parte do dia e o resto do tempo ocioso.

Um bom trabalho de marketing pessoal pode gerar concorrência pelos seus serviços. Assim é possível escolher os projetos que você quer e até aumentar seu preço.

Onde eu posso me apresentar?

Há várias formas de fazer marketing pessoal. Nesta seção iremos dar algumas dicas que podem ser usadas logo de cara para começar a criar sua marca ou reforçá-la. O primeiro ponto é pensar como uma empresa: eu tenho um produto e ele precisa ser vendido. Como fazer isso?

#1 Que tal as redes sociais? Ou um site?

Achar um espaço para alcançar potenciais clientes é o primeiro passo. As redes sociais e a internet em geral são ferramentas poderosas nesse sentido. A criação de um perfil profissional no Instagram, uma página no Facebook, um canal no Youtube ou um blog são passos muito usados.

Aí entra a pergunta: não serei apenas mais um? Nesse ponto é preciso fazer um exercício de autoconhecimento: o que eu posso entregar de diferente? Pense em conteúdo especial, que agregue valor para as pessoas. Se você é um desenvolvedor de sites, falar sobre seu último trabalho e como ele foi incrível não irá interessar tantas pessoas. Um vídeo explicando os benefícios que um pequeno negócio tem ao criar um site é muito mais útil e interessante para pessoas que ainda não o conhecem.

O diferente não é apenas o conteúdo, mas também a forma e o visual. Invista em uma identidade, pensando em cores, fontes, cenários e até figurinos. Você não quer ser um youtuber, falando as mesmas coisas das mesmas formas? Teste novos conceitos, conheça o que está sendo feito lá fora. O investimento não será alto e você pode encontrar algo que te deixa confortável, empolgado por fazer e que terá seu público.

#2 Pense no email

O email profissional é sua entrada mais “pessoal” na rotina de alguém. Por isso, criar uma assinatura para o email, encontrar seu tom – é possível ser descontraído sem deixar o profissionalismo de lado – e até investir em uma newsletter são excelentes ideias.

#3 Valorize seus trabalhos passados

A seguir é preciso apresentar seu trabalho. A criação de um portfólio é fundamental. Há plataformas específicas para isso, mas você também pode criar seu site ou achar o veículo perfeito para expor seu trabalho. Depois de alguém te conhecer e tiver interesse, ter acesso a seus projetos é o passo seguinte e que muitos profissionais pecam. Um bom portfólio pode encaminhar uma contratação.

#4 Feedback

Por fim, com o trabalho feito, peça sempre um feedback. O objetivo principal desta ação é saber o que você fez bem e o que pode melhorar. O trabalho estava ótimo, mas faltou melhor comunicação. Ou então seu domínio de uma ferramenta foi excelente, mas de outro programa nem tanto.

Saber o que melhorar é básico para qualquer profissional que queira crescer. E demonstrar essa atenção com o cliente, mesmo que ele nunca mais use seu serviço, é positivo. Afinal, esse cliente pode te indicar para outras pessoas e ser um excelente aliado.

Isso se relaciona com o segundo objetivo de pedir feedback: mostrar ao mundo que você deixa seus clientes satisfeitos. Você pode pegar uma declaração ou elogio do cliente (claro, com seu consentimento) para usar nas redes ou no próprio portfólio. Não precisa ser algo extenso e o principal é explicar o contexto para quem lê/vê: qual foi o projeto, o que foi feito e quem é o cliente. Assim evita-se cair na autopromoção barata.

Dicas para construir o branding pessoal

Aqui vamos dar dicas mais específicas para construir sua marca e conquistar mais clientes.

#1 Criação de conteúdo

Independente de sua área, criar conteúdo que ajude pessoas, empresas e até colegas irá torna-lo uma referência. Com isso, quando for preciso um trabalho em sua área, seu nome será lembrado. O conteúdo pode ser:

  • Post em redes sociais
  • Blog
  • Vídeos no YouTube
  • Newsletter
  • Grupo no Whatsapp ou Telegram dedicado ao tema

#2 Identidade visual

Pense na sua presença online profissional como um todo. Não mande e-mails sem uma assinatura, use uma foto profissional em redes como o LinkedIn e tenha uma forma para apresentar seu trabalho e portfólio, que pode ser desde um perfil no Instagram até um website próprio.

#3 Exposição (sempre com cuidados)

Assim como é normal confundir marketing pessoal com autopromoção exagerada, é também comum que pessoas mais tímidas ou introvertidas pensem em exposição como sair conversando com todo mundo. Criar uma rede de contatos profissionais, fazer networking, participar de palestras e conhecer profissionais de suas áreas e líderes de setores é algo necessário e possível para todos.

Exemplos de como fazer seu marketing pessoal

Abaixo vamos citar exemplos de três profissionais que fazem um excelente trabalho de marketing pessoal. Os três têm suas empresas e seus produtos, mas entregam valor às pessoas que os acompanham, mesmo que não sejam consumidores de um produto.

1. Seth Godin, especialista em liderança e o mundo dos negócios, é autor de uma newsletter diária que dá o que pensar e que pode ser recebida por qualquer um. Só é preciso entrar em seu site e informar seu email. Godin é um profissional de décadas do marketing online, sendo um dos pioneiros na área. Sua capacidade de síntese e uso de dados e fatos para trazer provocações e material para reflexão faz valer a pena acompanhar seus emails, que sempre vem com uma linguagem bastante própria, sua assinatura e a clara distinção: seu conteúdo é diferente dos outros.

Blog Seth Godin

2. Luciana Seabra é a CEO da casa de análises Spiti e especialista em fundos de investimento. Além do material que sua empresa produz (relatórios), você pode acompanhar seu trabalho nas redes sociais e ter insights interessantes. Em um período que muitos brasileiros estão começando a investir e entrar na Bolsa, ter acesso a conteúdo de qualidade, tutoriais e saber a opinião de gente mais experiente é fundamental. A educação financeira é um assunto que precisa avançar no Brasil.

Instagram Luciana Seabra

3. Por fim, Neil Patel, um dos grandes nomes do SEO e da criação de conteúdo para a internet. Seu site tem um blog muito valioso para todos os produtores de conteúdo, com dicas, análises, relatórios e até planos de ação para quem quer criar um site, estar presente nas redes sociais ou aparecer no YouTube. Patel sabe muito bem fazer o marketing pessoal, sempre expondo seu rosto, sua forma de pensar e seus cases de sucesso com sites de sua empresa e clientes.

Apresentação Blog Neil Patel

Você tem alguma ideia ou já começou seu plano de marketing pessoal? Ainda está meio perdido quanto a isso e não sabe bem como vender esse “produto” sem parecer uma questão de ego? Manda um comentário!

Miguel Amado

Freelancer desde 2014, Miguel Amado é um criador de conteúdo, analista SEO e editor/apresentador de podcasts.

Escreva um comentário

Artigos recentes

Cookie Consent One Trust