Pesquisa do Coronavírus – Um ano depois

P

Em março de 2021 o freelancermap conduziu uma pesquisa do Coronavírus global para ter insights sobre como os freelancers se sentiam um ano depois do começo da pandemia e como suas situações mudaram no período.

  1. Mercado de projetos para freelancer
  2. Tarifas dos freelancers e situação financeira
  3. Freelancer ou emprego integral?
  4. Prognósticos da pesquisa do Coronavírus
participantes da pesquisa do coronavírus
Participantes da pesquisa do Coronavírus (Março de 2021).

Mercado de projetos para freelancer

Na pesquisa do Coronavírus, 73% dos entrevistados estão satisfeitos com o mercado de projetos para freelancer. Essa tendência se confirma nas diversas regiões que o estudo foi realizado. Uma consequência da crise do Covid-19 é que as empresas precisaram cortar custos. E usar freelancers para projetos foi uma das alternativas usadas. 

“Em 2020 o mundo viu uma mudança quase sem precedentes na forma como a força de trabalho opera. Apesar do Coronavírus, ou talvez por causa dele, o mercado de freelancers deve causar burburinho este ano.”

Um ano atrás a maioria dos freelancers estava bastante pessimista sobre as suas perspectivas de trabalho, classificando o mercado de projetos como “ruim” ou “muito ruim”.

71% dos participantes afirmou que seus projetos não foram realmente afetados pela pandemia do Covid-19 e que foi possível continuar trabalhando de forma remota.

Parece que a situação se recuperou após um período de incertezas em 2020, quando a pandemia afetou a carga de trabalho da maioria dos freelancers devido a seu caráter único e sem precedentes, que pegou todos desprevenidos.

coronavírus afetou os projetos freelancer de 2020 e 2021
A maioria dos projetos continuou de forma remota nos últimos meses.

Projetos que já estavam em andamento, assim como a conquista de novos, se beneficiaram dessa situação: 61% dos freelancers conseguiram fazer parte de novos projetos durante a pandemia, a maioria com ajuda de plataformas ou networking pessoal. Essas também foram as melhores fontes para a conquista de novos clientes na pesquisa do ano passado.

Tarifas dos freelancers e situação financeira

A situação financeira dos freelancers é um dos assuntos mais importantes da pesquisa. 52% dos participantes declararam que cobram os mesmos preços que no ano passado e 39% dos participantes afirmaram que reduziram os tarifas com temor de perder carga de trabalho.

Apesar da situação ainda ser ligeiramente otimista, as consequências de um ano de pandemia são inevitáveis: 45% dos entrevistados admite que a situação financeira está pior do que no começo da pandemia e apenas 19% conseguiram melhorar nesse quesito nos últimos meses.

Comparado com outras regiões, freelancers nos Estados Unidos foram os que em maior número (em porcentagem) diminuíram suas tarifas. Entretanto, mesmo assim a maioria dos freelancers ao redor do globo conseguiram manter seus preços, segundo a pesquisa do Coronavírus e seus impactos. Isso é um bom sinal.

como o coronavírus afetou os preços
50% dos freelancers entrevistados nos Estados Unidos tiveram que reduzir suas tarifas.

Freelancer ou emprego integral?

Não é segredo que freelancers têm algumas dificuldades a mais comparados com profissionais que são fixos em uma empresa. Diferenças como as expostas abaixo podem ter ficado ainda mais claras neste ano:

  • Dificuldade em ter uma renda regular
  • Desafio de garantir novos projetos
  • Legislação hostil e impostos confusos
  • Planos de saúde caros
  • Competição

Apesar de todas essas barreiras que muitos freelancers precisam enfrentar, a grande maioria dos entrevistados optaria pelos freelas ainda (85%). 

Prognósticos da pesquisa do Coronavírus

Conquistar maior segurança financeira e poder participar de novos projetos foram dois dos maiores desafios que freelancers e autônomos enfrentaram durante a pandemia.

Para responder a pergunta “Qual foi a maior lição que você aprendeu com a crise do Coronavírus?”, 30% selecionaram a opção guardar mais dinheiro para possíveis eventualidades e 68% irá focar em começar mais projetos, construir relações com clientes e fazer mais networking.

maior lição aprendida com crise do coronavírus foi guardar dinheiro
Aprendizados após um ano de Coronavírus.

Em março de 2020, 27% dos participantes entrevistados esperavam que a crise fosse durar um ano – até março de 2021. Doze meses depois, o número de “pessimistas” dobrou: 55% acham que a “crise” irá durar ainda mais um ano, pelo menos até março de 2022. 

duração da crise do coronavírus para entrevistados
De acordo com 55% dos entrevistados a crise irá durar pelo menos mais um ano, até março de 2022. 

Freelancers tiveram que aprender a lidar com situações diferentes e algumas vezes difíceis durante este ano fora do comum. Entretanto uma coisa é clara: nem sempre o novo e desconhecido é ruim. Crises podem trazer oportunidades e esse é o caso para o mercado de freelancers

A necessidade de cortar gastos e a incerteza do futuro próximo gerou maior senso de urgência nas empresas para tentar trabalhar com profissionais remotos. Isso fez com que a demanda por freelancers tenha aumentado em vários setores. 

Outro aspecto positivo é que essa parece ser uma tendência global, não apenas uma moda de uma região ou outra.

Esses são alguns dos insights da nossa pesquisa do Coronavírus e seus impactos no mercado de freelance. Qual é sua experiência durante a pandemia? Compartilhe conosco na seção abaixo!

Miguel Amado

Freelancer desde 2014, Miguel Amado é um criador de conteúdo, analista SEO e editor/apresentador de podcasts.

Escreva um comentário

Artigos recentes

Cookie Consent One Trust